Mircea Eliade – História das Crenças e das Ideias Religiosas

AS CONSEQUÊNCIAS DO SACRIFÍCIO PRIMORDIAL

Por razões ignoradas, os deuses e os homens decidiram separar-se amigavelmente em Mecone. Os homens ofereceram o primeiro sacrifício, a fim de fixar de maneira definitiva suas relações com os deuses. E foi nessa oportunidade que Prometeu interveio pela primeira vez. Sacrificou um boi e dividiu-o em duas partes. Mas, como queria proteger os homens e ao mesmo tempo iludir Zeus, revestiu os ossos com uma camada de gordura, cobrindo com o estômago a carne e as vísceras. Atraído pela gordura, Zeus escolheu para os deuses a porção mais pobre, deixando para os homens a carne e as vísceras. É por isso, explica Hesíodo, que desde então os homens queimam os ossos em oferenda aos deuses imortais.
Essa partilha singular teve consequências consideráveis para a humanidade. Era, por um lado, a instituição do regime carnívoro como um ato religioso exemplar, suprema homenagem prestada aos deuses; mas em última instância, isso implicava o abandono da alimentação vegetariana praticada durante a idade de ouro. Por outro lado, a trapaça de Prometeu fez com que Zeus se irritasse contra os seres humanos, e lhes retirasse o uso do fogo. Mas o astuto Prometeu trouxe o fogo até o céu, ocultando-o no oco de uma férula. Enervado, Zeus decidiu punir de uma só vez os homens e seu protetor. Prometeu foi acorrentado, e uma águia passou a devorar-lhe, todos os dias, o “fígado imortal”, que se recompunha durante a noite. Um dia ele será libertado por Héracles, filho de Zeus, a fim de que a glória do herói aumente ainda mais.
Quanto aos seres humanos, Zeus enviou-lhes a mulher, essa “bela calamidade”, sob a forma de Pandora. “Armadilha profunda e sem saída destinada aos homens”, tal como a denuncia Hesíodo; “pois foi dela que proveio a raça, a corja perniciosa das mulheres, terrível flagelo instalado entre os homens mortais”.
Em suma, longe de ser um benfeitor da humanidade, Prometeu é o responsável pela sua atual decadência. Em Mecone ele provocou a separação definitiva entre deuses e homens. Mais tarde, ao furtar o fogo, irritou Zeus, suscitando assim a intervenção de Pandora, isto é, o aparecimento da mulher e, por conseguinte, a propagação de todas as espécies de tormentos, atribulações e infortúnios. Para Hesíodo, o mito de Prometeu explica a irrupção do “mal” no mundo; em última análise, o “mal” representa a vingança de Zeus.

© Mircea Eliade – História das Crenças e das Ideias Religiosas – Volume I (excerto) – Zahar

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s